Com tanto planejamento, ainda tem lugar para o improviso?

Improvisar é algo que esta bem presente no nosso cotidiano.

Resolver um problema que parece insolúvel, que surgiu de repente,  tendo um estalo de inspiração, é algo que dá uma grande satisfação.

Mas a gente sabe que isso não acontece todo dia para nós meros mortais. Quando o problema estoura na nossa cara, não há muito o que fazer. É assumir a culpa, ou achar alguém pra culpar; o sistema, o trânsito, a chuva, o colega, qualquer coisa serve!

Mas com todo o planejamento que sempre falamos, ainda tem espaço para o improviso? Eu acho que tem!

É bem sabido que não podemos planejar tudo, porque não conhecemos todas as variáveis do problema, então temos que deixar uma margem para o imprevisto.

A grande diferença é que quando planejamos algo diminuímos a quantidade de variáveis ao máximo, deixando apenas algumas poucas que ainda podem ser monitoradas.

Dependendo do problema, podemos conhecer as variáveis e ter soluções prévias para as que ocorrem com mais frequência.

Mas o improviso sempre vai estar presente. Mas resolver um problema na base do improviso com a cabeça fresca é uma coisa, outra é estar com tudo atrasado, e ainda ter que imaginar  uma solução impensada para aquele pepino de última hora.

Então não é preciso se preocupar com absolutamente TODAS  as variáveis de um planejamento, mas diminuir sua quantidade até um nível razoável.

Deixe para exercitar sua criatividade quando ela for realmente necessária, não todo dia, a toda hora.

Veja um vídeo muito interessante sobre planejamento!

Abraços improvisados,

Gérson.