Quer saber a diferença entre ter uma Meta e não ter?

Estou lendo bastante sobre  Programação Neuro Linguística, e uma das coisas que aprendi e que as pessoas gravam as coisas de maneiras diferentes. Alguns são guardam melhor imagens, outros lembram dos sons que ouviram em um momento importante da sua vida, e outros ainda precisam tocar em coisas para se colocar em um determinado estado.

Eu sou, sem dúvida, visual. Eu guardo imagens, e aprendo melhor se tiver um esquema visual do assunto que trato. Então, meu exemplo da diferença entre ter uma meta e não ter, vai ser com imagens!

Quando era adolescente meu pai comprou uma casa na praia. Uma praia mais ou menos isolada. A caro custo consegui formar uma pequena turma de amigos, com os poucos habitantes. Costumávamos dar longas caminhadas na praia (já que não tinha muita coisa pra fazer).

Uma noite saímos para caminhar na praia, já que estava calor pra burro. Nesta praia tem uma plataforma de pesca daquelas que vão entrando mar a dentro e ficam iluminadas como uma árvore de natal. Começamos a caminhar a partir da plataforma, nos afastando dela, como não havia nada (absolutamente) à nossa frente, nos guiávamos pelo reflexo na espuma das ondas.

A sensação era muito ruim, porque a medida que nos afastávamos mais e mais, andávamos nos batendo sem querer uns nos outros, porque quase não enxergávamos à frente. Caminhávamos devagar com receio do que tivesse à frente, um pequeno riacho, um bicho morto, um cachorro.

Quando decidimos voltar, nos viramos e a sensação foi de alívio. Esta imagen que vimos foi bem parecida com esta. A plataforma de pesca é a mesma.

Caminhamos tranquilos então, porque tínhamos uma grande referência à frente. Tínhamos uma grande plataforma brilhante  mostrando onde queríamos chegar. Agora podíamos  caminhar com mais tranquilidade, porque estávamos vendo para onde estávamos indo.

Moral da história:

Se não temos uma meta ficamos caminhamos devagar e com receio, porque não sabemos ao certo onde estamos indo. Prestamos atenção demais à vultos que surgem na caminhada achando que pode ser alguma coisa interessante, e ficamos pulando de um vulto para o outro. O que parece ser uma arca ao longe, quando nos aproximamos é uma grande pedra. E ai vamos para o próximo vulto que vemos achando que é uma sereia descansando na praia, e quando chegamos perto é um cachorro dormindo. Perdemos tempo  e somos improdutivos.

Quando temos  uma meta clara, definida e muito bem iluminada, ficamos mais tranquilos porque sabemos onde  estamos  indo. Não prestamos tanta atenção as coisas ao lado,  porque a meta grande e brilhante lá na frente e ela nos encanta. Caminhamos mais rápido, com passadas mais confiantes, somos mais eficientes e produtivos para chegar na meta, porque quanto mais perto, mais iluminado fica o nosso caminho.

E você? Já tem uma meta definida e iluminada?

Já teve uma experiência parecida?

Deixe um comentário!

Abraços iluminados.

Gérson.