O Poder do Hábito, na gestão do tempo.

Comprei ele totalmente por acaso, seguindo minha teoria que o livro é que escolhe o leitor, não o contrário!

Estava passeando na livraria com a minha doce Patrícia, ela comprou um livro, e brincando, eu disse que também queria um! Então olhei e achei interessante  o título “….porque fazemos o que fazemos na vida e nos negócios”.

Qual o hábito que você quer mudar?
Qual o hábito que você quer mudar?

Não consegui mais desgrudar do livro. Ele sabia coisas sobre mim que eu mesmo desconhecia!  Não tenho a menor pretensão de explicar o que ele explica no livro (que indico fortemente), mas achei várias ligações com o nosso assunto da gestão do tempo, porque muitas coisas que fazemos hoje, e que nos fazem perder tempo, fazemos sem nos darmos conta!

Por isso alguns devem perguntar como o dia passou tão rápido que eu não vi? Porque podem ter passado dia fazendo coisas que nem se dão conta, puro hábito, que não mereceu nem ser registrado com louvor pelo cérebro.

Me dei conta que em muitas coisa eu faço sem pensar, porque o meu cérebro já gravou isso como uma rotina, e me liga no piloto automático, e faço como um robô.

Incrível!

Quando vocês lerem o livro, vão saber melhor que eu estou falando, mas vou tentar dar uma explicação breve disso.

Quanto temos uma situação não conhecida, como dirigir até uma padaria nova, nosso cérebro entra em total alerta, nossos sentidos estão no máximo de suas percepções, e estamos atentos a tudo, porque precisamos encontrar esta padaria nova que ainda não conhecemos, em uma rua que não estivemos antes. Alerta toral, cérebro em total atividade.

À medida, que vamos indo mais seguido nesta padaria, nosso cérebro, vai gravando novas partes do caminho, e vamos gastando cada vez menos energia para chegar lá. Até chegar o ponto que vamos sem quase pensar, porque o cérebro já gravou todo o percurso, sinaleiras, paradas, locais para estacionar, horários, tudo.

Virou um hábito! Como tantos outros que temos.Tanto que as vezes nos perguntam porque fazemos tal coisa, e a resposta é “não sei”.

A utilidade desta informação é que podemos modificar um parte do hábito, e transformá-lo em algo mais útil, ou mais agradável, ou ainda, mais produtivo.

O resto vou deixar para o outro post.

Qual hábito que você tem, que te deixa improdutivo?

Escreva um comentário pra compartilhar com a gente! No próximo post eu conto um meu, ok?

Pra entender melhor, veja este vídeo sobre o livro.

Abraço,

Gérson.