Quer saber a diferença entre ter uma Meta e não ter?

Estou lendo bastante sobre  Programação Neuro Linguística, e uma das coisas que aprendi e que as pessoas gravam as coisas de maneiras diferentes. Alguns são guardam melhor imagens, outros lembram dos sons que ouviram em um momento importante da sua vida, e outros ainda precisam tocar em coisas para se colocar em um determinado estado.

Eu sou, sem dúvida, visual. Eu guardo imagens, e aprendo melhor se tiver um esquema visual do assunto que trato. Então, meu exemplo da diferença entre ter uma meta e não ter, vai ser com imagens!

Quando era adolescente meu pai comprou uma casa na praia. Uma praia mais ou menos isolada. A caro custo consegui formar uma pequena turma de amigos, com os poucos habitantes. Costumávamos dar longas caminhadas na praia (já que não tinha muita coisa pra fazer).

Uma noite saímos para caminhar na praia, já que estava calor pra burro. Nesta praia tem uma plataforma de pesca daquelas que vão entrando mar a dentro e ficam iluminadas como uma árvore de natal. Começamos a caminhar a partir da plataforma, nos afastando dela, como não havia nada (absolutamente) à nossa frente, nos guiávamos pelo reflexo na espuma das ondas.

A sensação era muito ruim, porque a medida que nos afastávamos mais e mais, andávamos nos batendo sem querer uns nos outros, porque quase não enxergávamos à frente. Caminhávamos devagar com receio do que tivesse à frente, um pequeno riacho, um bicho morto, um cachorro.

Quando decidimos voltar, nos viramos e a sensação foi de alívio. Esta imagen que vimos foi bem parecida com esta. A plataforma de pesca é a mesma.

Caminhamos tranquilos então, porque tínhamos uma grande referência à frente. Tínhamos uma grande plataforma brilhante  mostrando onde queríamos chegar. Agora podíamos  caminhar com mais tranquilidade, porque estávamos vendo para onde estávamos indo.

Moral da história:

Se não temos uma meta ficamos caminhamos devagar e com receio, porque não sabemos ao certo onde estamos indo. Prestamos atenção demais à vultos que surgem na caminhada achando que pode ser alguma coisa interessante, e ficamos pulando de um vulto para o outro. O que parece ser uma arca ao longe, quando nos aproximamos é uma grande pedra. E ai vamos para o próximo vulto que vemos achando que é uma sereia descansando na praia, e quando chegamos perto é um cachorro dormindo. Perdemos tempo  e somos improdutivos.

Quando temos  uma meta clara, definida e muito bem iluminada, ficamos mais tranquilos porque sabemos onde  estamos  indo. Não prestamos tanta atenção as coisas ao lado,  porque a meta grande e brilhante lá na frente e ela nos encanta. Caminhamos mais rápido, com passadas mais confiantes, somos mais eficientes e produtivos para chegar na meta, porque quanto mais perto, mais iluminado fica o nosso caminho.

E você? Já tem uma meta definida e iluminada?

Já teve uma experiência parecida?

Deixe um comentário!

Abraços iluminados.

Gérson.

Hora de arrumar a casa. Parte II

Todo mundo sabe que reforma é quase pior do que construir do zero.

Na reforma, em cada coisa que tu troca, descobre outros dois para consertar. E assim vai. Começa com a troca de uma torneira! Mas a torneira, não combina com a pia. Com a pia nova, nota-se que ficou feio com os armários antigos. Já que vamos trocar os armários da cozinha quem sabe não trocamos os azulejos por  um mais novo. E finalmente, já que vamos quebrar a parede porque não mudamos a pia de lugar, para aproveitar a bagunça da reforma??

Falta de foco! Essa é a armadilha!

Termine uma coisa para começar outra. As Urgências sempre aparecem! No nosso exemplo, trocar a torneira da cozinha pode fazer pode trazer um vazamento que não existia antes. Isso é uma urgência. Esteja preparado para ela. 

Imagem

 

Mantenha o foco naquilo que realmente quer. Assim sua reforma termina no prazo, e no orçamento.

Abraços reformados.

Gérson.

P.S. A minha reforma ainda não acabou, mas isso deve acontecer antes do final de maio.

Ganhadores dos livros no 1º Encontro dos Neotriaders de Porto Alegre.

Hoje apresento pra vocês os ganhadores dos livros sorteados no 1º Encontro.

Um deles é o Maurício Holderbaum. Usuário do Neotriad, ele esta cada vez mais produtivo.

A outra ganhadora foi a Mônica Franco de Souza. Tenho certeza que o livro vai ser muito útil para organizar o seu dia.

Parabéns aos ganhadores!

Grande abraço,

Gérson.

Sistemas de Informações Gerenciais – Linkedin.

Boa noite pessoal.

Este post foge um pouco do padrão do blog, mas é para dar uma pequena orientação aos meus colegas do Grupo Controladoria e Finanças do Linked In, sobre uma planilha de Sistema de Informações Gerenciais que desenvolvi, e estou disponibilizando para discussões e apreciação (principalmente de quem sabe mais do que eu nesse assunto).

Afinal sempre é bom ter a opinião de quem sabe mais!

Colegas, a planilha foi feita personalizada para as minhas necessidades.  Ela foi baseada no conceito da Theory Of Constraints, que usa medidas simples para medir o crescimento da empresa.

Depois eu vi que poderia abrir itens dentro de outros como Despesa Operacional, para medir coisas que me interessavam.

A planilha é toda automática, bastando inserir os dados nas abas em vermelho, que são os meses. Como a intenção deste post não é dar um curso completo de como usar a planilha maluca que o Gérson inventou, vou contar com a disposição de vocês de xeretar para ver como funciona.

Usem os códigos na aba “Demonstrativos” para inserí-los nas abas vermelhas de cada mês.

A cada lançamento TODOS  os resultados são atualizados automaticamente. Então faça um lançamento e veja qual o resultado da sua empresa a cada lançamento bancário.

Outra coisa importante é que ela é estritamente pelo regime de CAIXA, os lançamentos nas abas vermelhas devem corresponder exatamente ao movimento bancário, com a conferência dos saldos, fechando nos centavos.

Naturalmente vocês terão muitas dúvidas, então é só escrever, que vou tentar responder.

Segue o link para download.

Grande Abraço, e obrigado antecipado por qualquer contribuição a minha modesta planilha : )

Gérson